Back to Blog

Afinal, o que é Know Your Customer (KYC)?

Natália Lord

Provavelmente você já leu o termo KYC, mas você sabe a importância? Leia o conteúdo e entenda a necessidade de estar por dentro do assunto. Caso não tenha tempo pra ler, você pode escutar enquanto executa outras tarefas, basta apertar o play!

Conhecer o cliente de uma empresa é uma das principais tarefas de um time comercial em uma empresa, afinal, para encontrar novos clientes, é preciso saber qual o perfil que se deve buscar. Porém, conhecer bem quem é o usuário que está se cadastrando vai mais além do que uma estratégia de vendas.  O KYC - Know Your Customer - é a sigla presente inclusive na legislação brasileira que orienta sobre o conhecimento ao cliente. 

Se engana quem pensa que isso é coisa de grandes empresas. Todas, independente do tamanho, estão vulneráveis a fraudes e é aí que o KYC entra. Vem entender melhor e saber se a sua empresa está por dentro das regras.


Entendendo o que é Know Your Customer (KYC)

O Know Your Customer é um termo em inglês que significa, literalmente “Conheça seu cliente”. Dentro de uma startup, por exemplo, é o conjunto de estratégias de compliance que tem a ver com a prevenção de crimes como as fraudes de identidade, lavagem de dinheiro e o financiamento ao terrorismo.

A legislação brasileira regulamenta isso através da Lei 9.613/98, onde fala sobre a prevenção do uso do sistema financeiro brasileiro em crimes. Ou seja, a instituição ou empresa precisa exigir já no cadastro do usuário uma série de documentos e dados para armazenamento de informações sobre o usuário. 

A fase de cadastro é uma das mais importantes e merece uma grande atenção, já que ali já é possível utilizar ferramentas para bloquear fraudadores ou criminosos.

Com tecnologias como a biometria facial e a documentoscopia, já é possível confirmar se o usuário é quem ele diz ser, fazendo um comparativo da documentação com uma base de dados do governo federal. Outras buscas também podem trazer informações de atividades profissionais, econômicas e pessoais.

Algumas empresas ainda podem realizar periodicamente essas buscas para monitorar a situação do usuário e saber a sua situação com a justiça e sistemas econômicos.


Como estar em concordância com as normas de KYC?

As políticas de Know Your Costumer estão comumente presentes dentro de instituições financeiras, empresas de crédito, fintechs e seguradoras. O principal objetivo dentro desse segmento é avaliar se o perfil do cliente é compatível com as movimentações, assim como  monitorar as origens dos recursos financeiros. Porém, no Brasil, isso já deixou de ser ferramenta de grandes empresas, visto que pequenos negócios, incluindo startups podem sofrer com as fraudes, caso não evitem. 

O primeiro passo para que o KYC esteja funcionando em uma empresa é a verificação de autenticidade de identidade utilizada pelo usuário. Ou seja, a empresa precisa ter total certeza de que o usuário não é uma fraude e que ele realmente existe. Hoje, essa verificação pode ser feita de forma totalmente automatizada através de um onboarding que utilize as ferramentas de identificação corretas. Isso não se trata somente de consulta de CPF, empresas também precisam ser monitoradas, ainda com mais rigidez. 

O segundo passo é fazer a Due Diligence para análise de riscos. Essas estratégias de Due Diligence permitem medir os riscos que cada cliente pode oferecer à empresa.

Existem dois tipos de diligências, a Diligência Simplificada (SDD) e a Diligência Aprimorada (EDD), e a definição do uso depende do risco que as transações tem. No EDD, alguns dados específicos precisam ser coletados, como a localização do cliente, ocupação e fonte de recursos, tipos de transações, padrão esperado de atividade em termos de tipos de transação, valores e frequência e método esperado de pagamento.

Além da coleta no cadastro do cliente, é importante que a empresa mantenha uma recorrência na atualização dessas informações para diminuir riscos. Esse é o terceiro passo e um dos mais importantes, pois garante a segurança da instituição a longo prazo.

Como capacitar uma equipe para saber mais sobre compliance e iniciar a implementação da sua empresa?


Mais artigos

O risco de imagem atrelado à falta de investimento em prevenção à fraude

Saiba quais são as consequências de não agir de forma preventiva e como você pode ampliar a proteção do seu negócio.

Read Story

Por que a verificação de identidade se tornou vital no mercado iGaming

Ascensão do mercado iGaming tem chamado a atenção de um público bastante indesejado: os fraudadores.

Read Story

Não perca uma postagem.

Se inscreva em nossa newsletter para receber conteúdo exclusivo assim que publicado.
Não iremos compartilhar seu email com terceiros.